Pilhas

Tags

Pilhas

#Pilhas
· Oxidação: é a perda de elétrons por um elemento químico (ou aumento de seu número de oxidação)
· Redução: é o ganho de elétrons por um elemento químico (ou a diminuição de seu número de oxidação)
· Oxidante: é o elemento (ou substância) que provoca oxidações (ele próprio se reduzindo).
· Redutor: é o elemento (ou substância) que provoca reduções (ele próprio se reduzindo).
· Eletroquímica: é o estudo das reações de oxi-redução que produzem ou são produzidas pela corrente elétrica.
De fato, nas pilhas e acumuladores ocorrem reações espontâneas que produzem corrente elétrica; pelo contrário, nos processos de eletrólise (como, por exemplo, na cromação de um pára-choque de automóvel) será a corrente elétrica que irá produzir uma reação química.

Pilha de Daniell
Essa pilha ou célula eletroquímica baseia-se na seguinte reação de oxi-redução:
Zn + CuSO4 ® Zn SO4 + Cu
São os elétrons que passam do Zn ao Cu2+, que produzem a corrente elétrica.
A montagem da pilha de Daniell é a seguinte:
Existe dois compartimentos, chamados MEIAS-CÉLULAS, separados por uma porcelana porosa:
- no compartimento da esquerda (meia-célula do zinco), existe uma chapa de zinco mergulhada em solução aquosa de sulfato de zinco; considerando-se que o zinco tem uma tendência espontânea para perder elétrons, temos: Zn ® Zn2+ + 2 e- (é a semi-reação de oxidação), desse modo, a chapa de zinco “solta” elétrons para o circuito externo (dizemos, então, que a chapa de zinco é o eletrodo negativo ou ANODO);
- no compartimento da direita (meia-célula do cobre), existe uma chapa de cobre mergulhada em solução aquosa de sulfato cúprico; considerando-se que o Cu2+ tem uma tendência espontânea para receber elétrons, temos: Cu2+ + 2e- ® Cu (é a semi-reação de redução); desse modo, o Cu2+ “captura” elétrons do circuito externo, através da chapa de cobre, que se torna positiva (dizemos, então, que a chapa de cobre é o eletrodo positivo ou CATODO); veja também que a soma das duas equações anteriores fornece a equação geral da pilha:
A porcelana porosa deve impedir a mistura das duas soluções, mas deve permitir a passagem dos íons que estão sendo atraídos ou repelidos pelas forças elétricas. Após certo tempo de funcionamento da pilha, vamos notar que a chapa de zinco está corroída, a chapa de cobre aumentou devido à deposição de cobre e as concentrações das soluções se alterarem. Tudo isso é consequência da própria reação geral de funcionamento da pilha: Convencionou-se representar a pilha de Daniell ( e as demais pilhas ) esquematicamente da seguinte maneira:
Zn, Zn2+ (1M) K | Cu2+ (1M), Cu (25ºC)
Ou

Zn | Zn2+ (1M) || Cu2+ (1M) | Cu (25ºC)

Onde estão indicados os eletrodos, as molaridades das soluções e a temperatura de funcionamento da pilha. Resumindo, podemos dizer que a Pilha ou Célula Eletroquímica é um dispositivo que transforma energia química em energia elétrica. Isso é conseguido, por meio de uma reação de oxi-redução, com o oxidante e o redutor separados em compartimentos diferentes, de modo que o redutor seja obrigado a entregar os elétrons ao oxidante através de um circuito externo (fio).

Pilhas comuns
Na prática, as pilhas mais comuns são:
Acumulador ou bateria de automóvel;
Formado por placas de chumbo e placas contendo dióxido de chumbo e cujas reações são:
Pilhas secas; São as pilhas comuns (usadas em lanternas, rádios portáteis, etc.), formadas por um invólucro de zinco recheado por uma pasta úmida contendo MnO2 e NH4Cl, e cujas reações são:

Medida de diferencial de potencial de pilha
Fatores
Os fatores que influenciam na diferença de potencial. Variando-se os metais (ou melhor dizendo, variando-se o oxidante e o redutor), podemos obter uma infinidade de pilhas diferentes, que nos fornecerão diferentes voltagens ou forças eletromotrizes (fem) ou diferenças de potencial (ddp). Isso depende fundamentalmente:
- da natureza dos metais formadores da pilha (ou seja, da natureza do oxidante e do redutor);
- das concentrações das soluções empregadas;
- da temperatura da pilha.
Como decorrência do exposto acima, considerando-se como condições padrão de uma pilha:
- a concentração 1 molar para as soluções;
- a temperatura de 25ºC para a pilha.

Eletrodo-padrão de hidrogênio
Para as medidas eletroquímicas, foi escolhido arbitrariamente como padrão o denominado Eletrodo-padrão (ou normal) de Hidrogênio, ao qual foi atribuído, também arbitrariamente, o potencial de zero volt. Sua montagem esquemática é:
A reação desse eletrodo é:
H2(g) + 2e- « 2 H+(aq)
Montando-se, em condições padrão, a pilha esquematizada a seguir:
Teremos as seguintes reações: Medindo-se a voltagem dessa pilha, encontraremos 0,76 volt. Esse valor é determinado então Potencial Normal ou Potencial Padrão ou Potencial Meia-Célula ou Potencial de Oxi-Redução do zinco e é indicado por Eº.

Tabela dos potenciais-padrão
Confrontando todos os metais com o eletrodo-padrão de hidrogênio, iremos medir os seus Eº e poderemos então organizar uma tabela de seus potenciais-padrão de eletrodo.
Na verdade, essa medida não é privativa dos metais; podemos fazê-la também com os não-metais e, de um modo mais geral, com todos os oxidantes e redutores. Teremos, então, a tabela dos potenciais-padrão de eletrodo ou de oxi-redução (Eº), para soluções aquosas 1 molar, a 25ºC e 1 atm, de qualquer oxidante ou redutor, como vemos a seguir. Desde já, é bom assinalar que, multiplicando-se as equações por um número qualquer, os valores de Eº não serão alterados.

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Automobilismo Bahia Belgica Belize Biologia Bolívia Brasil Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filosofia Física França Gastronomia Geografia Goiás Grécia Guatemala Guerras na África Guiana Historia HISTÓRIA História do Brasil Honduras Iêmen Informática Inglaterra Internet Irã Israel Itália Jamaica LEGISLAÇÃO Líbia Língua Portuguesa Literatura Malásia Maranhão Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Música Natureza Nicarágua Noruega Nova Zelândia Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí POLÍTICA Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia Roraima Russia Rússia Santa Catarina São Paulo Saúde Sergipe Seychelles Síria Sociedade Sri Lanka Sudão do Sul Suiça Suíça Suriname Tailândia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Uganda Uruguai Vaticano Venezuela Zimbábue