Pesca no Brasil

Tags

Pesca no Brasil

Pesca no BrasilO Brasil possui cerca de 12% dos rios e lagos do mundo e explora com exclusividade a pesca em seu litoral, em uma faixa de 200 milhas (cerca de 370 quilômetros), contadas a partir da costa, segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Mas, mesmo em áreas tão grandes, a exploração pesqueira está em seu limite. Tanto nas regiões onde a pesca se dá de forma artesanal como nas áreas de pesca industrial, a quantidade de peixes e de outros animais de interesse comercial retirada das águas é maior que a capacidade de reposição da natureza. O resultado tem sido a diminuição da população desses animais e de toda a biodiversidade marinha e das águas continentais brasileiras, como ocorre no resto do mundo.

Crise
O declínio da população aquática é uma realidade com a qual os pescadores brasileiros convivem há anos. A população da sardinha, importante no litoral sul-sudeste, está em colapso. Depois de ter atingido o recorde de 228 mil toneladas capturadas em 1973, em 2000 são recolhidas apenas 17 mil. E isso a despeito de toda a tecnologia e de contar com uma frota de barcos que é o dobro daquela dos anos 1970. Outras espécies comerciais, como camarão-rosa, lagosta, pargo, caranguejo-uçá, corvina, atum, bonito e cação, também estão ameaçadas. Segundo o Ibama, mais de 80% dos principais recursos pesqueiros estão no limite ou já se esgotaram. O impacto sobre essas espécies se alastra pela cadeia alimentar, ameaçando a sobrevivência de todo o ecossistema. A principal razão para o desaparecimento dos animais aquáticos é a pesca excessiva, a chamada sobrepesca, reflexo da falta de conhecimento das espécies e seu habitat, agravada por ações como a destruição de mangues, o desmatamento das margens dos rios, a poluição, etc. Entre as décadas de 1960 e 1980, o governo dá incentivos fiscais e facilita o crédito para modernizar o setor pesqueiro, sem se preocupar, no entanto, com o estudo dos impactos ambientais. Há aumento no uso de tecnologia, as frotas crescem e a indústria se desenvolve. O resultado é, primeiro, o apogeu da pesca extrativa, seguido de seu rápido declínio, presenciados nas décadas de 1970 e 1980. Hoje, a própria existência do setor pesqueiro está ameaçada.

Espécies ameaçadas
Em 2004, o Ministério do Meio Ambiente divulgou, pela primeira vez, uma lista de espécies aquáticas ameaçadas pela sobreexploração, ou seja, capturadas em excesso. Nela estão 135 peixes de água doce, como o pirarucu e o lambari, 24 de água salgada, como a tainha e o badejo, e 79 invertebrados, a exemplo do guaiamum e estrelas-do-mar. Entre as medidas que podem ser tomadas para recuperar os estoques pesqueiros estão a suspensão imediata da captura das espécies mais procuradas, a diminuição da frota pesqueira e o aumento do período de defeso (quando a pesca é suspensa para a reprodução dos animais). Essas ações, no entanto, são difíceis de colocar em prática porque teriam grande impacto sobre os pescadores e o setor pesqueiro. Segundo o Ibama, a atividade envolve, direta ou indiretamente, 4 milhões de pessoas e movimenta cerca de 2 bilhões de reais ao ano.


www.megatimes.com.br

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas Antarctica Arábia Saudita Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Áustria Automobilismo Bahia Belgica Belize Biologia Bolívia Botswana Brasil Bulgária Butão Camarões Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Croácia Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Eslováquia Eslovênia Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filipinas Filosofia Finlândia Física França Gastronomia Geografia Goiás Grécia Guatemala Guerras na África Guiana Historia HISTÓRIA História do Brasil Holanda Honduras Hungria Iêmen India Indonesia Informática Inglaterra Internet Irã Irlanda Islândia Israel Itália Jamaica Japão Jordânia Laos LEGISLAÇÃO Letônia Líbia Língua Portuguesa Literatura Madagascar Malásia Maranhão Marrocos Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Maurício Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Mongolia Música Myanmar Namibia Natureza Nepal Nicarágua Nigéria Noruega Nova Zelândia Omã Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí POLÍTICA Polônia Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO República Dominicana República Tcheca Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Romênia Rondônia Roraima Russia Rússia Rwanda Santa Catarina São Paulo Saúde Senegal Sergipe Seychelles Singapura Síria Sociedade Sri Lanka Sudão do Sul Suécia Suiça Suíça Suriname Tailândia Taiwan Tanzânia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Turquia Uganda Uruguai Vanuatu Vaticano Venezuela Vietnam www.Klimanaturali.org Zimbábue