Nanocristais e Energia Solar

Nanocristais e Energia Solar

Nanocristais e Energia SolarCientistas do Laboratório Nacional Los Alamos, nos Estados Unidos, descobriram que um fenômeno chamado "multiplicação das portadoras", no qual nanocristais semicondutores reagem a fótons produzindo múltiplos elétrons, é aplicável a uma gama muito maior de materiais do que se pensava até agora. Ao criar uma "avalanche" de elétrons, os nanocristais permitirão a construir de células solares com uma potência de saída muito maior. Isso abre caminho para novas tecnologias fotovoltaicas - ou energia solar - que converte os fótons da luz do sol em energia elétrica - que são elétrons em movimento. Quanto mais elétrons um fóton consegue excitar, maior será a corrente elétrica gerada pela célula solar. Eles demonstraram que a multiplicação das portadoras não ocorre unicamente nos nanocristais de seleneto de chumbo, mas se dá também com altíssima eficiência em nanocristais de outros compostos, como seleneto de cádmio. Além disso, a pesquisa esclarece o mecanismo da multiplicação das portadoras. O fenômeno nunca foi observado em materiais macroscópicos e se baseia inteiramente nas propriedades únicas da física quântica. É por isto que é o tamanho da partícula, e não sua composição, que é o principal determinante da eficiência do efeito." "Em cristais nanométricos, as fortes interações elétron-elétron tornam os elétrons de alta energia instáveis. Estes elétrons somente existem em seu chamado estado virtual por um instante, antes de se passarem a um estado mais estável, que compreende dois ou mais elétrons," explica um dos pesquisadores da equipe, o Dr. Victor Klimov. Outra aplicação possível desses nanocristais está nas tecnologias de geração de combustível por processos solares. O principal exemplo é a quebra da molécula da água para produção de hidrogênio, por meio de foto-catálise. Esse processo exige quatro elétrons por molécula de água e sua eficiência pode ser incrivelmente melhorada se esses múltiplos elétrons puderem ser produzidos pela absorção de um único fóton.

www.megatimes.com.br

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Automobilismo Bahia Belgica Belize Biologia Bolívia Brasil Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filosofia Física França Gastronomia Geografia Goiás Grécia Guatemala Guerras na África Guiana Historia HISTÓRIA História do Brasil Honduras Iêmen Informática Inglaterra Internet Irã Israel Itália Jamaica LEGISLAÇÃO Líbia Língua Portuguesa Literatura Malásia Maranhão Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Música Natureza Nicarágua Noruega Nova Zelândia Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí POLÍTICA Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia Roraima Russia Rússia Santa Catarina São Paulo Saúde Sergipe Seychelles Síria Sociedade Sri Lanka Sudão do Sul Suiça Suíça Suriname Tailândia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Uganda Uruguai Vaticano Venezuela Zimbábue