Adrenalina

Tags

Adrenalina

#AdrenalinaA adrenalina, cloridrato de dioxifenil-etanol-metil-amina, também chamada de adnefrina, epinefrina e supra-renina, é um hormônio segregado pelas glândulas supra-renais na corrente sanguínea, a fim de compensar a queda do teor de açúcar, causada pelo medo. Foi o primeiro hormônio isolado em laboratório, sob a forma de um pó branco cristalino, podendo ser obtido, também, das glândulas de animais domésticos. Os efeitos da adrenalina e da noradrenalina, hormônio quimicamente semelhante, também produzido pelas supra-renais, são semelhantes. Ambas aumentam a força das contrações cardíacas e decompõem os lipídios, elevando o nível dos ácidos graxos em circulação, a taxa do metabolismo e a vivacidade. A noradrenalina, no entanto, causa a elevação da pressão sanguínea uma vez que promove a contração de todos os vasos sanguíneos, com a possível exceção das coronárias. A adrenalina, por sua vez, causa um aumento do teor de glicose no sangue, por meio da decomposição do glicogênio no fígado, o que não acontece com a noradrenalina.

Em situações de emergência, independentemente da causa, o corpo humano reage de uma maneira bem definida. Essa resposta é causada pela ação de determinados mensageiros químicos e hormônios, cuja ação não podemos controlar conscientemente.

Já a queda brusca da pressão sanguínea em casos de choque é combatida de preferência pela injeção intravenosa de noradrenalina, mais drástica e eficaz que a adrenalina. Esta, pelo fato de ser constritora dos vasos superficiais, é usada em combinação com anestésicos locais, cuja absorção retarda, o que lhes prolonga a atividade e reduz a toxidez. É útil também nas alergias, nas congestões nasais alérgicas (como a febre do feno) e nas hemorragias superficiais.

Chama-se adrenalite a inflamação das supra-renais; adrenalismo, o estado mórbido causado pela disfunção das supra-renais; e hiperadrenalismo, a anomalia causada pela hiperfunção da glândula, e consequência, em geral, de tumores no córtex. O abuso dos hormônios da supra-renal pode resultar em hemorragia cerebral e distúrbios cardíacos.

www.megatimes.com.br

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Automobilismo Bahia Belgica Belize Biologia Bolívia Brasil Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filosofia Física França Gastronomia Geografia Goiás Grécia Guatemala Guerras na África Guiana Historia HISTÓRIA História do Brasil Honduras Iêmen Informática Inglaterra Internet Irã Israel Itália Jamaica LEGISLAÇÃO Líbia Língua Portuguesa Literatura Malásia Maranhão Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Música Natureza Nicarágua Noruega Nova Zelândia Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí POLÍTICA Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia Roraima Russia Rússia Santa Catarina São Paulo Saúde Sergipe Seychelles Síria Sociedade Sri Lanka Sudão do Sul Suiça Suíça Suriname Tailândia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Uganda Uruguai Vaticano Venezuela Zimbábue