Composição e Estrutura do Álcool

Tags

Composição e Estrutura do Álcool

Composição e Estrutura do Álcool
Álcool
A produção de álcool etílico por processos fermentativos é um procedimento milenar, utilizado por todos os povos conhecidos. Na verdade, uma corrente antropológica defende a teoria de que o cultivo da terra se desenvolveu visando tanto o aumento da produção de alimentos quanto a disponibilidade de bebidas alcoólicas.

Composição e estrutura
Os álcoois são compostos químicos derivados dos hidrocarbonetos, caracterizados pela presença de um grupamento hidroxila (OH) em sua estrutura. Podem ser classificados segundo três critérios diferentes: quanto à natureza do radical ao qual está ligado o grupamento hidroxila; quanto ao número de hidroxilas presentes na molécula; e quanto à posição desses grupamentos na molécula do álcool.

Segundo o primeiro critério, esses compostos dividem-se em álcoois alifáticos saturados, ou seja, com cadeias lineares ou ramificadas, sem a presença de dupla e/ou tripla ligação ou de anel benzênico em sua estrutura (exemplo: etanol); álcoois alifáticos insaturados, semelhantes aos anteriores, porém com a presença de dupla e/ou tripla ligação (exemplo: propenol); álcoois alifáticos substituídos, de estrutura linear ou ramificada, não-benzênicos, mas com a presença de outros grupamentos funcionais que substituem um ou mais átomos de hidrogênio (exemplo: etanolamina); álcoois alicíclicos, que apresentam em sua estrutura anéis não-benzênicos (exemplo: ciclohexanol); álcoois aromáticos, que possuem um ou mais anéis benzênicos em sua estrutura (exemplo: fenil-metanol); e álcoois heterocíclicos, compostos cíclicos nos quais um ou mais átomos de carbono do anel são substituídos por outro átomo (exemplo: furfurol).

Quanto ao número de hidroxilas na molécula, os álcoois podem ser divididos em monóis, quando há somente um grupamento presente; dióis ou glicóis, quando há dois desses grupamentos; trióis, quando são três, e assim por diante. A determinação do número de hidroxilas em um álcool é feita por meio da reação desse composto com o iodeto de metilmagnésio, que libera uma molécula de metano para cada grupamento OH presente.

Finalmente, os álcoois podem ser classificados como primários, secundários ou terciários, conforme o carbono da hidroxila esteja ligado a um, dois ou três átomos de carbono. A caracterização de cada um desses tipos pode ser feita por meio da reação entre o álcool vaporizado e pó de cobre, finamente dividido e aquecido a 300o C. No primeiro caso, haverá a formação de um aldeído, com liberação de hidrogênio; no caso de álcoois secundários, formar-se-á uma cetona; e no caso de álcoois terciários, será formado um hidrocarboneto não saturado e água.

Nomenclatura
Na nomenclatura oficial dos álcoois, a cadeia principal é a mais longa das que contêm a hidroxila; a numeração se faz de modo que o carbono da hidroxila receba o menor número. O final "o" dos alcanos é substituído por "ol". Outras duas nomenclaturas são, também, adotadas usualmente. Na primeira, a palavra álcool precede o nome do radical alquila, no qual a terminação "a" é substituída por "ico". Na segunda, proposta pelo químico alemão Hermann Kolbe, o álcool é considerado como derivado do termo mais simples da série, o metanol, denominado, então, carbinol.
Os álcoois divalentes, geralmente chamados glicóis, são designados como 1,2-glicóis; 1,3-glicóis; 1,4-glicóis etc., conforme a localização das duas hidroxilas.

Propriedades físicas e químicas
Analogamente à água, os álcoois apresentam caráter polar, mais acentuado nos compostos de menor peso molecular. No caso dos álcoois, esse caráter se deve à presença do grupamento hidroxila, no qual o átomo de oxigênio, por ser mais eletronegativo que o de hidrogênio, atrai os elétrons compartilhados na ligação O-H, levando-os a assumir uma distribuição espacial assimétrica. Além disso, o ponto de ebulição desses compostos é relativamente alto, graças à presença da ligação tipo pontes de hidrogênio entre as moléculas.

Os álcoois são solúveis em água, embora a solubilidade diminua à medida que seu peso molecular aumenta. Alguns álcoois, como o etanol, são bons solventes de outros compostos orgânicos não solúveis em água.

Quanto ao caráter ácido-básico desses compostos, os álcoois podem atuar como bases fracas, em presença de ácidos fortes, tais como o nítrico e o sulfúrico, ou como ácidos, reagindo com metais mais reativos para formar alcoóxidos. O caráter básico dos álcoois se deve à presença de dois pares de elétrons que não participam da ligação entre os átomos de oxigênio e hidrogênio do grupamento hidroxila.

A viscosidade dos álcoois aumenta à medida que seu peso molecular cresce. Assim, enquanto o metanol é líquido a temperatura ambiente, o n-icosanol, com vinte átomos de carbono na cadeia, é sólido.

Os álcoois são inflamáveis quando em presença de uma chama, em atmosfera de ar ou oxigênio, transformando-se totalmente em água e gás carbônico, com grande desprendimento de energia.

Álcoois comerciais
Em termos gerais, o álcool etílico é o único cuja ingestão o organismo humano suporta. Obtém-se principalmente a partir da fermentação do açúcar contido em diversos vegetais, como uva, cana-de-açúcar, batata, arroz e maçã. Muito mais tóxico, o metanol ou álcool metílico, é obtido por destilação seca da madeira ou a partir do metano. Por ser muito mais barato que o etanol, esse composto é utilizado de maneira fraudulenta na produção de alimentos. Industrialmente, pode ser aplicado como solvente e anticoagulante.

A glicerina ou propanotriol, utilizada na fabricação de explosivos e na indústria cosmética, possui também importância biológica, uma vez que se combina com ácidos graxos para produzir as graxas vegetais e animais.

Outros tipos de álcoois, como o propílico, o butílico e os álcoois amílicos são muito utilizados como matérias-primas em sínteses de produtos químicos, farmacêuticos e  alimentícios.

Álcool combustível
A crise suscitada pelo aumento dos preços do petróleo no mercado internacional, iniciada em 1973, levou o governo brasileiro a buscar soluções para o problema; dentre essas soluções avultou a substituição da gasolina por outro  combustível, de preferência produzido a partir de fonte renovável. A experiência passada e a grande potencialidade da lavoura brasileira apontaram imediatamente para o álcool. Em novembro de 1975 foi criado o Proálcool, Programa Nacional do Álcool, com o objetivo de reduzir as importações de petróleo.

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Automobilismo Bahia Belgica Belize Biologia Bolívia Brasil Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filosofia Física França Gastronomia Geografia Goiás Grécia Guatemala Guerras na África Guiana Historia HISTÓRIA História do Brasil Honduras Iêmen Informática Inglaterra Internet Irã Israel Itália Jamaica LEGISLAÇÃO Líbia Língua Portuguesa Literatura Malásia Maranhão Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Música Natureza Nicarágua Noruega Nova Zelândia Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí POLÍTICA Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Rondônia Roraima Russia Rússia Santa Catarina São Paulo Saúde Sergipe Seychelles Síria Sociedade Sri Lanka Sudão do Sul Suiça Suíça Suriname Tailândia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Uganda Uruguai Vaticano Venezuela Zimbábue