OCUPAÇÃO HUNAMA NO ESTADO DE RONDÔNIA DATA DE CERCA 7 MIL ANOS

Material lítico (esquerda) e cerâmico (direita) estão sendo encontrados durante a escavação o que pode comprovar as diferentes épocas de ocupação humana em Rondônia (Foto: Larissa Matarésio/G1)
O estudo que está sendo realizado no Sítio Arqueológico do Teotônio, na região do Alto Rio Madeira, em Porto Velho, quer provar que existiu ocupação humana há mais de sete mil anos na região. Uma pesquisa realizada ano passado pela Universidade de São Paulo (USP) aponta que a ocupação mais antiga comprovada é de 3,2 mil anos. A grande quantidade de ‘terra preta’ ou ‘terra de índio’, como também é conhecido o solo muito fértil que é resultado da ação humana, será analisada por arqueólogos do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP e alunos do curso de arqueologia da Universidade Federal de Rondônia (Unir), que ajudam na escavação.

A partir do mapeamento da sobreposição das camadas do solo do sítio arqueológico e dos objetos cerâmicos e líticos encontrados durante a escavação será possível identificar e datar a ocupação da área. “Através dos sinais de deposição de materiais no solo é feita a análise para datação e vestígios do que é composto o material recolhido”, explica a geóloga Michele Tizuka, que faz parte da pesquisa.

Eduardo Neves, coordenador do estudo, diz que a grande quantidade de terra preta encontrada na região também pode conter indícios de populações que deixaram de ser nômades e se fixaram em Rondônia muito antes de outros povos da Amazônia.

“A terra preta se forma a partir de séculos de acúmulo de materiais orgânicos provenientes da ação humana, como restos de alimentos e de utensílios, por isso, onde esse tipo de solo é encontrado temos muito material arqueológico para estudar”, ressalta Neves.

Segundo Eduardo Neves, as novas descobertas no sítio do Teotônio podem ajudar a estabelecer alguns parâmetros para entender como ocupar a Amazônia de forma sustentável. “Estudar este solo é abrir uma janela arqueológica para entender o modelo de vida antigo e através do desenvolvimento da agronomia replicar de forma menos agressiva junto ao modelo de vida atual”, diz.

O estudo pode provar também, segundo Neves, que a mandioca foi domesticada nesta região do estado e que em Rondônia foram encontrados os melhores registros contínuos de formação e ocupação de áreas de terra preta de toda a Amazônia.

A escavação do solo por níveis pode revelar diversos tipos de materiais de diferentes épocas de ocupação humana. “As duas fases mais aceitas de ocupação humana são a de caçadores/coletores e dos agricultores. Os caçadores são formados por populações nômades que construíam e utilizavam objetos líticos, de pedra; enquanto os agricultores são mais conhecidos pelas cerâmicas e por serem ocupações mais recentes. Nestas escavações estamos encontrando os dois tipos de material”, explica Thiago Trindade, do grupo de estudos do Museu de Arqueologia e Etnologia .

Neves diz que a delimitação do perímetro do Sítio Arqueológico do Teotônio ainda não está totalmente definido. “Tudo indica que o sítio é muito grande e que ainda não conhecemos toda a extensão dessa área de ocupação. O mais importante é que podemos aproveitar este material para muitos anos de estudo e transformar o sítio em sítio escola, para que os alunos da Unir possam trabalhar em campo, atuando e estudando nessa região”, completa.

O estudo é acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 Fonte: G1/Rondônia


Fonte: Mega Times e Klima Naturali
Gostou? Compartilhe:

0 comentários:

Posts Relacionados