11 DE SETEMBRO DE 2001: 10 ANOS DEPOIS

Por Luciano Mende*

Em 11 de setembro de 2011 completa 10 anos do maior atentado terrorista da história que ocorreu nos Estados Unidos. No total foram quatro ataques suicidas, utiliando aeronaves comerciais contra centros de grande importância dos Estados Unidos: a Casa Branca, o Pentágono e o World Trade Center. Três aviões conseguiram atingir seus alvos. Duas aeronaves colidiram com as torres gêmeas do World Trade Center e uma destruiu parte do Pentágono.

Os ataques foram promovidos pela organização terrorista Al-Qaeda. O líder da Al-Qaeda era Osama Bin Laden, morto em 2 de maio de 2011 no Paquistão por forças de inteligências dos EUA. Ao todo 2996 pessoas morreram nos atentados em 2011. As imagens dos aviões atingindo as torres foram impressionantes, na torre norte foi transmitida ao vivo. O mundo assistiu aterrorizado às cenas que só assistiam em filmes de ficção acontecendo na vida real.

 11 de setembro de 2001, início do fim de um Império Econômico

As vítimas, em sua maioria, eram de civis de mais de 70 países. 19 sequestradores foram empregados pela Al-Qaeda para a missão. Assim que o primeiro avião atingiu a primeira torre equipes de televisão passaram a transmitir ao vivo o desesperado resgate promovido pelas autoridades americanas. Logo o segundo avião se chocou com a torre norte.
No local foi construido um memorial às vítimas e está sendo construído um novo complexo comercial. O Pentágono foi restaurado. Todos os Estados Unidos tiveram sua segurança reforçada. O país então declarou guerra ao terror em conjunto com seus aliados.

O 11 de Setembro de 2001 se tornou um marco histórico para o Terceiro Milênio. Os ataques terroristas mostrou ao mundo que os Estados Unidos da América não é invulnerável, tanto no campo da segurança pública e militar como no campo econômico.

A Al-Qaeda, talvez sem querer ou saber, levou os Estados Unidos a uma crise econômica sem precendentes a partir de 2008. Esse foi o legado de George W. Bush ao manter duas guerras "contra o Terrorismo" com gastos que ultrapassou os 7 trilhões de dólares.

*Analista de Inteligência