O Brasil Poderá Ser Divido em 40 Unidades Federativas (Estados e Territórios)

O Brasil Poderá Ser Divido em 40 Unidades Federativas (Estados e Territórios)

O Brasil Poderá Ser Divido em 40 Unidades Federativas (Estados e Territórios)Possibilidade de novo Mapa Político Brasileiro

Parlamentares a favor da criação de novos estados argumentam que a divisão facilitará o desenvolvimento, mas deputados contra a ideia denunciam interesses econômicos e políticos da proposta.

A aprovação, pela Câmara, do pedido de urgência Regime de tramitação que dispensa prazos e formalidades regimentais, para que a proposição seja votada rapidamente. Nesse regime, os projetos tramitam simultaneamente nas comissões - e não em uma cada de vez, como na tramitação normal. Para tramitar nesse regime é preciso a aprovação, pelo Plenário, de requerimento apresentado por: 1/3 dos deputados; líderes que representem esse número ou 2/3 dos integrantes de uma das comissões que avaliarão a proposta. Alguns projetos já tramitam automaticamente em regime de urgência, como os que tratam de acordos internacionais. para votar projetos que convocam dois plebiscitos para que os habitantes do Pará decidam se querem ou não a divisão de seu território em três estados pode dar novo fôlego a uma série de propostas semelhantes que tramitam na Casa. Elas têm o potencial de elevar para 40 o número de estados e territórios brasileiros, atualmente em 26 mais o Distrito Federal, e já mobilizam parlamentares favoráveis e contrários à ideia de recortar ainda mais o território brasileiro.

Os projetos que criam os estados de Carajás (PDC 2300/09) e Tapajós (PDC 731/00) foram apresentados pelos senadores Leomar Quintanilha (PMDB-TO) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), respectivamente, e já foram aprovados no Senado. No último dia 14 de abril, eles tiveram a urgência aprovada pelo Plenário da Câmara.

No dia seguinte, o deputado Carlos Brandão (PSDB-MA) cobrou, em discurso no Plenário, a aprovação do PDC 947/01, do ex-deputado Sebastião Madeira (PSDB-MA), que cria o estado do Maranhão do Sul. “Nós já conversamos com os líderes e vamos reforçar a pressão, porque agora abriu-se uma brecha, um espaço para colocar os requerimentos de urgência para os plebiscitos sobre a criação dos estados de Tapajós e de Carajás”, declarou Brandão. “O estado do Maranhão do Sul possui potencial econômico e estrutura sociopolítica para se desenvolver”, disse.

No movimento contrário, de oposição à criação dos estados, o deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) promete reativar a Frente Parlamentar é uma associação suprapartidária de pelo menos 1/3 dos integrantes do Poder Legislativo Federal destinada a aprimorar a legislação referente a um tema específico. As frentes parlamentares estão regulamentadas pelo ato 69/05, da Mesa Diretora. Toda frente tem um representante oficial. As frentes podem utilizar o espaço físico da Câmara, desde que suas atividades não interfiram no andamento dos outros trabalhos da Casa, não impliquem contratação de pessoal nem fornecimento de passagens aéreas. É uma associação suprapartidária de pelo menos 1/3 dos integrantes do Poder Legislativo Federal destinada a aprimorar a legislação referente a um tema específico. As frentes parlamentares estão regulamentadas pelo ato 69/05, da Mesa Diretora. Toda frente tem um representante oficial. As frentes podem utilizar o espaço físico da Câmara, desde que suas atividades não interfiram no andamento dos outros trabalhos da Casa, não impliquem contratação de pessoal nem fornecimento de passagens aéreas. de Fortalecimento dos Estados e Municípios e Contra a Criação de Novos Estados, da qual foi presidente, para tentar conter o que chama de “onda separatista” motivada por supostos “interesses econômicos e políticos” das lideranças locais.

As Propostas em Tramitação Sobre Criação de Estados e Territórios.

As Propostas em Tramitação Sobre Criação de Estados e Territórios.

Um dos principais defensores da divisão do Pará é o deputado Giovanni Queiroz (PDT-PA), autor do PDC 159/92, que também convoca plebiscito para a criação do estado de Carajás, na atual área do Pará, e está apensado à proposta que ganhou urgência no mês passado.

Ele considera “inviável” a administração de uma área tão grande (1,247 milhão de quilômetros quadrados, dividido em 144 municípios) a partir de Belém. “Há uma demanda na região por um estado mais presente nas áreas de segurança, educação, saúde, infraestrutura. Existe cidade a mais de mil quilômetros de distância da capital, entendemos que nenhum governador consegue gerir um estado tão grande”, argumenta.

Queiroz, assim como outros defensores do desmembramento dos estados brasileiros, cita o caso do Tocantins, que foi separado de Goiás pela Constituição de 1988, como um exemplo de sucesso que poderia se repetir em Carajás.

“Antes de se emancipar, Tocantins tinha pouco mais 100 km de asfalto. Entre 1988 e 2006, depois da separação, o novo estado cresceu mais de 155%, enquanto o Brasil inteiro cresceu 58%”, comparou. “Temos, em Carajás, população e área semelhantes às do Tocantins, com terra mais fértil, jazidas minerais, um potencial extraordinário de crescimento, e cidades do porte de Marabá (PA)”, acrescentou o deputado.

Zenaldo Coutinho se opõe a essa argumentação e classifica a iniciativa de dividir o Pará como uma agressão ao pacto federativo, além de poder ampliar as diferenças regionais, com o maior empobrecimento do norte do estado.

“Na região de Carajás, existe o município de Parauapebas (PA), que é uma das maiores províncias minerais do mundo, com jazidas de minério de ferro e receita mensal de R$ 34 milhões. Já Abaetetuba (PA), que fica no norte do estado e tem uma população parecida com a de Parauapebas, recebe R$ 4,5 milhões por mês, ou seja, é uma diferença estúpida. Lógico que há áreas desassistidas no Pará, mas isso é um problema de gestão. O movimento separatista é provocado por interesses econômicos e políticos de quem tem áreas produtivas e quer que sua região seja capital de um estado, agregando um valor fantástico à propriedade”, afirmou.

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br
www.klimanaturali.org

Marcadores

Acre Administração Afeganistão África África do Sul Alagoas Albânia Alemanha Amapá Amazonas América Antarctica Arábia Saudita Argentina Armênia Arquitetura Artes Ásia Astronomia Austrália Áustria Automobilismo Azerbaijão Bahia Barbados Belarus Belgica Belize Biologia Bolívia Botswana Brasil Bulgária Burundi Butão Cabo Verde Camarões Camboja Canadá Cazaquistão Ceará Chile China Ciências Cinema Colômbia Comunicações Concursos Coreia do Norte Coreia do Sul Costa Rica Croácia Cuba Cultura Curiosidades Cursos Dicas Dicas Mulher Dinamarca Distrito Federal Dominica Ecologia (Meio Ambiente) Economia Educação Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Emprego Equador Eslováquia Eslovênia Espanha Espírito Santo Esportes Estados Unidos Estônia Estradas Etiópia Fiji Filipinas Filosofia Finlândia Física França Gastronomia Geografia Geórgia Goiás Grécia Groenlândia Guatemala Guerras na África Guiana Historia História do Brasil Holanda Honduras Hungria Iêmen India Indonesia Informática Inglaterra Internet Irã Iraque Irlanda Islândia Israel Itália Jamaica Japão Jordânia Laos Letônia Líbia Língua Portuguesa Literatura Madagascar Malásia Maranhão Marrocos Matemática Mato Grosso Mato Grosso do Sul Maurício Medicina México Minas Gerais Mitologia Moçambique Mongolia Música Myanmar Namibia Natureza Nepal Nicarágua Nigéria Noruega Nova Zelândia Omã Palau Panamá Paquistão Pará Paraguai Paraíba Paraná Pernambuco Peru Piauí Política Polônia Portugal Profissões Psicologia Quênia Química Reino Unido RELIGIÃO República Dominicana República Tcheca Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Romênia Rondônia Roraima Russia Rússia Rwanda Santa Catarina São Cristóvão e Nevis São Paulo Saúde Senegal Sergipe Seychelles Singapura Síria Sociedade Somália Sri Lanka Sudão do Sul Suécia Suíça Suriname Tailândia Taiwan Tanzânia Tecnologia Timor Leste Tocantins Trinidad e Tobago Tunísia Turquia Ucrânia Uganda Uruguai Vanuatu Vaticano Venezuela Vietnam www.Klimanaturali.org Zimbábue
My Ping in TotalPing.com